NOTÍCIAS

​Últimas Publicações
Captura de Tela 2021-02-19 às 12.21.12.

2º Encontro da Cadeia da Construção foca investimentos da Enel


Na tarde desta segunda-feira (9/12), a Câmara da Indústria da Construção (CIC) da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (FIEG) promoveu, em parceria com o IEL Goiás, o 2º Encontro da Cadeia da Construção. O evento, realizado na Casa da Indústria, foi voltado aos empresários interessados em participar do Programa de Desenvolvimento de Fornecedores, por meio da parceria Fieg-Enel. A companhia de energia pretende investir cerca de R$ 4 bilhões até 2023.


“Nós, da Fieg, acreditamos na Enel e trabalhamos para formar alunos sob medida para nossos acionistas e para capacitar os melhores fornecedores para essa empresa, que adquiriu a sucateada Celg e traçou um grande plano de investimento em Goiás”, afirmou o presidente da Fieg, Sandro Mabel.


“A cadeia da construção vive um bom momento, em meio à crise que assola o País, que inibe negócios e reduz empregos. Dados divulgados nesta semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a construção foi um dos setores que puxou o crescimento do Produto Interno Bruto do País. São sinais de uma retomada da economia, que vêm exatamente da construção civil, nosso foco de hoje. Para que toda essa engrenagem continue a girar, que investimentos sejam feitos e muitos empregos sejam gerados, é que estamos reunidos neste encontro”, completou o presidente.


O evento possibilitou aos empresários terem acesso a informações relevantes sobre as perspectivas de compras da Enel Goiás, sobre processo de qualificação e qualidade, além do case de sucesso da empresa goiana Tencel Engenharia.  Também foram apresentados o Programa de Desenvolvimento de Fornecedores (PDF Goiás) e as soluções das entidades do Sistema Fieg (Sesi, Senai, IEL e ICQ Brasil). Ao final, foi realizada uma mesa-redonda com técnicos da Enel e do Sistema Fieg para esclarecimento de dúvidas.

“A Enel tem um investimento enorme (cerca de R$ 4 bilhões) para fazer em Goiás. Para isso, precisamos preparar as indústrias goianas que fazem rede, subestações, que produzem insumos e serviços, de acordo com normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT